• Geraldo Leite

A PADARIA ESPIRITUAL

A literatura brasileira tem passagens inusitadas. Uma delas é a de um grupo de jovens cearenses que se reunia no Café Java, no centro de Fortaleza, mais precisamente na praça do Ferreira. Este grupo era formado por escritores, músicos e pintores. Liderados por Antônio Sales, esta agremiação era composta por Lopes Filho, Lívio Barreto, Ulices Bezerra, Temistocles Machado, Tibúrcio de Freitas, e outros.

Além das questões literárias eles se preocupavam com os assuntos relacionados aos valores e comportamentos da época. Combatiam o clero, a burguesia e tudo que era tradicional. A ideia era fornecer pão espiritual aos associados e ao povo em geral.

Começaram a se reunir em maio de 1892. Antônio Sales os batizou com o nome "Padaria Espiritual" e elaborou um programa de atividades que foi um verdadeiro sucesso. O sucesso foi de tal ordem que a Padaria Espiritual se tornou conhecida em todo o país e considerada um dos três movimentos culturais do Brasil, na segunda metade do século XIX, ao lado da Escola do Recife (chefiada por Tobias Barreto) e a Escola de Tropicalista Baianos (liderada por Oto Wulcherer, John Paterson e Silva Lima).

A agremiação era realmente original. O presidente tinha o título de "Padeiro Mor", o Primeiro e o Segundo Secretários eram chamados "Forneiros", e o Tesoureiro era tratado como "Gaveta". O Bibliotecário tinha a alcunha de "Guarda Livros" e os associados eram conhecidos como "Amassadores".

As ideias do grupo eram divulgadas por um jornal de oito folhas, que saia aos domingos e teve 36 edições. Circulou até 31 de outubro de 1896, quando pediu falência "por absoluta caquexia pecuniária".

Os "amassadores" eram extremamente nacionalistas. Não badmitiam, na linguagem escrita ou falada, qualquer estrangeirismo.

A sede da Instituição recebeu o nome de "Forno".

A Padaria Espiritual é a precussora das atuais Academias de Letras.

Posts recentes

Ver tudo

Na década de 1860, o exército brasileiro não possuía o efetivo necessário para enfrentar o Paraguai. A solução foi abrir o voluntariado para homens em idade militar. Criou-se o Corpo de Voluntários da

No final do século XVII e começo do século XVIII ocorreu o que costumamos chamar Epopeia Brasileira. O Brasil deu as costas ao litoral e se voltou para o interior. Bahia e Pernambuco deixaram de ser a