• Geraldo Leite

O FIM DO VICE-REI NICOLAS DURANT DE VILLEGAGNON

Recebida a missão de criar a França Antártica, Nicolas Durant de Villegagnon partiu do porto de Le Havre com dois navios imensos e

um navio menor, repleto de viveres. Levava 600 homens e a promessa de receber outros dez mil após a chegada.

Vencidas as dificuldades iniciais, muitos tripulantes abandonaram os navios, enquanto outros morreram durante a viagem. Ao chegar no Rio de Janeiro, Willegagnon contava, apenas, com 140.

Meses depois, ao invés de dez mil, só recebeu 300 colonos.

A França Antártica no seu apogeu teve pouco mais de meio milhar de habitantes.

Villegagnon não foi feliz. Desiludido, resolveu deixar o Rio de Janeiro em maio de 1559, para nunca mais voltar.

No forte Coligni, que ele fundou, deixou seu sobrinho Bois-le-Conte com cem homens.

Retornando a Paris, continuou frequentando a côrte. Apoiou os Guise e ajudou Catarina de Médici a combater os protestantes.

Morreu em 15 de janeiro de 1571, pouco antes da Noite de São Bartolomeu, noite em que foram assassinadas milhares de protestantes, inclusive o almirante Coligny, cujo cadáver foi arrastado pelas ruas de Paris, até ser atirado no Rio Sena.

Encerrou-se assim, a única tentativa de se fundar uma colônia protestante no Brasil.

Decorridos quase cinco séculos, Villegagnon permanece desconhecido. A ilha

onde ele construiu o forte Coligni, hoje é conhecida como ilha de Villegagnon. Nela funciona a Escola Naval.

Posts recentes

Ver tudo

Na década de 1860, o exército brasileiro não possuía o efetivo necessário para enfrentar o Paraguai. A solução foi abrir o voluntariado para homens em idade militar. Criou-se o Corpo de Voluntários da

No final do século XVII e começo do século XVIII ocorreu o que costumamos chamar Epopeia Brasileira. O Brasil deu as costas ao litoral e se voltou para o interior. Bahia e Pernambuco deixaram de ser a